Quarta-feira, 23 de Novembro de 2016

Afinal o que sobrou?

DSC_9801-1-2

Nikon D3200, 18-55mm @ 32mm, f/10, 1/250s, ISO 400

Ponte da Ajuda | Olivença | Portugal

 

Desfazemo-nos e refazemo-nos, vezes e vezes sem conta, ao longo da nossa história.
Certos momentos são como um inesperado tremor de terra; apanha-nos de surpresa e faz-nos simplesmente aluir, sem controlo, por vezes até sem amparo. De início é uma visão devastadora, dolorosa, sem sentido. Mas depois todas as sensações vão abrandando… Damos por nós a olhar para o que sobrou – de pé, ou não, – e percebemos que não é o fim. E mesmo que seja em alguns aspetos, só temos duas escolhas; reerguermo-nos, ou ficarmos ali, presos ao que já não tem volta…
Independentemente da escolha que façamos, porém, fica uma certeza: ao mergulharmos nas nossas perdas, dores, aluimentos, jamais voltaremos a ser os mesmos (felizmente!).

 

Graça Aguiar


publicado por Paulo Brites às 18:36
link do post | comentar | favorito
|

.Mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 12 seguidores

.pesquisar

 

.posts recentes

. Ver para além dos Olhos

. Simplicidade

. Se me deixasses ser

. Se sou tinta tu és tela ....

. La canción más hermosa de...

. Põe de lado o GPS

. A melhor foto das eleiçõe...

. 15 anos depois ...

. Encontro

. Particípio ...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Sigo a estrada que me vai...

. Não há qualquer tragédia ...

. Momento

. Como é bom estar contigo!

.subscrever feeds