Sábado, 19 de Agosto de 2017

Dia Mundial da Fotografia

DSC_8402-1-2

Nikon D3200, 50-200mm @ 50mm, f/4, 1/160s, ISO 100

Por ai ... | Algarve | Portugal

 

Hoje dia 19 de Agosto, dia mundial da fotografia, recordo uma fotografia minha e um texto escrito por mim em 5 de Junho deste ano … porque a fotografia é isso. Porque a fotografia possui uma enorme força que nos faz pensar e nos leva para dentro dela, fazendo o tempo parar. Fotografar é ver (não é olhar) o momento em que se contempla a composição, a luz, a emoção e a alma … quando essa conjunção da fatores se combinam num só registo, acontece a inexplicável e inconfundível beleza de um momento e de um sentimento. Fotografar é sem dúvida um grito de um dos nossos sentidos, um grito do olhar que em combinação com o nosso cérebro nos permite ver. Bom dia da fotografia …

 

No dia 5 de Junho tentei fotografar o silêncio mas não consegui …

 

Porque é difícil fotografar o silêncio. Entretanto tentei. Eram 8 da noite ou 8 da tarde (conforme a perspetiva) existia um barulho extremamente silencioso … tudo o que me rodeava era aquela voz que, de tão calada que estava, se tornava insuportável. O céu tinha uma cor diferente de todos os céus, tinha uma cor triste de tão alegre que estava. Sim eu sei que estava rodeado de muita gente, gente essa, que também sentia o silêncio embora sem mostrar que o sentiam …

 

Estava numa daquelas festas chamadas “sunset” com o patrocínio do “Hendrix” e do pepino biológico … preparei a minha máquina e tentei fotografar o silêncio daquele barulho. De entre as muitas fotografias que tirei, destaco uma. Uma fotografia de uma onda! De uma onda do mar. Aquela tal onda barulhenta que nos faz lembrar o nosso sofá, quando se chega a casa e, ai, porque estamos sozinhos dizemos para nós próprios (para nos reconfortarmos) enquanto nos sentamos e pensamos …que bom, já tinha saudades de ti! Isso porque olhamos para o lado e somente vimos o silêncio de quem nos acompanha. Sei que é uma opção sentir esse silêncio, essa suposta paz que, tantas vezes é bem mais barulhenta do que o silêncio dessa onda. Mas sim, destaco essa foto.

 

No entretanto e, olhando para a linha do horizonte, vejo e sinto o azul do mar, o creme da areia … as bonitas cores que vinham da música, a alegria de um regresso, a felicidade de quem fica para saborear o aroma do pepino biológico e, ai, digo para mim mesmo: é difícil fotografar o silêncio … porque “ele” não existe. Está onde e quando nós queremos! É tão bom ouvir o barulho do sofá, o som da onda do mar, a luz da música e a música da cor!

 

Para uns o silêncio faz-se, oferece-se e pratica-se quando terminam o seu dia de praia e regressam ao seu habitat escolhido, para outros, é quando o transformam, porque não o aceitam e, lhe dão a devida alegria.

 

Afinal é impossível fotografar o silêncio, porque o silêncio acima de tudo somos nós que o sentimos, fazemos, permitimos e aceitamos! Nunca uma qualquer máquina fotográfica, poderá fotografar o silêncio …


publicado por Paulo Brites às 18:27
link do post | comentar | favorito (1)
|

.Mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 12 seguidores

.pesquisar

 

.posts recentes

. Ver para além dos Olhos

. Simplicidade

. Se me deixasses ser

. Se sou tinta tu és tela ....

. La canción más hermosa de...

. Põe de lado o GPS

. A melhor foto das eleiçõe...

. 15 anos depois ...

. Encontro

. Particípio ...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Sigo a estrada que me vai...

. Não há qualquer tragédia ...

. Momento

. Como é bom estar contigo!

.subscrever feeds