Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Imagens da Minha Objectiva

As Imagens da Minha Objectiva

12 de Setembro, 2020

Uma fotografia, um poema, uma música - parte VIII

Paulo Brites

DSC_10467-1-2.jpg

Resistência - Melhor Amigo

Sei que não sou o melhor poeta
Mas posso ser o teu melhor amigo
Ando a juntar a música à letra
Para te ajudar quando corres perigo
Por isso aceita esta minha oferta
E passa um bom bocado comigo
Sei que não sou o melhor poeta
Mas posso ser o teu melhor amigo
Tem dias em que a coisa se aguenta
Outros onde tudo parece negro
Sopra na brasa até vir a chama
O fogo ajuda a afugentar o medo
Tenta manter a tua porta aberta
O caminho é longo e eu conto contigo
Sei que não sou o melhor poeta
Mas sei que tu és o meu melhor amigo
E eu sei que tu és o meu melhor amigo.

Resistência - Melhor Amigo

 

11 de Setembro, 2020

Uma fotografia, um poema, uma música - parte VII

Paulo Brites

DSC_10774 - Praia da Amália-1-2.jpg

Tim – Ondas do mar

 

Ondas do mar
Quem vos vê não vai acreditar
Que um dia, outro dia
Vocês me quiseram tentar
A deixar-me, abraçar, esquecer
E deixar-me levar de uma vez
Por vocês ondas do mar

Mas veio alguém
Com um sorriso que me despertou
Caía em mim e fiquei só a vê-las
Crescer, aparecer e rolar
Em cachão rebentar
Espraiar, desaparecer
São tantas as ondas do mar


Tim – Ondas do mar

 

 

11 de Setembro, 2020

Um poema e uma fotografia - parte XXVI

Paulo Brites

DSC_10878-1-2.jpg

 

O meu olhar é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo...

Creio no Mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender...
O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo…

Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe porque ama, nem o que é amar...

Amar é a eterna inocência,
E a única inocência é não pensar...

Alberto Caeiro

 

07 de Setembro, 2020

Um poema e uma fotografia - parte XXV

Paulo Brites

DSC_10852-2.jpg

 

Na suposição do que é possível
no acto da ocasião imprevista
da teoria de uma suposição
não demonstrável mas desejada,
para o efeito da conjuntura
da expressão ousada.

Casualmente, talvez!
Felicidade, destino, acaso.
À ventura do risco e perigo
sem a reflexão necessária
porventura quiçá, inopinadamente
e desejada eternamente.

Concurso de circunstâncias
da felicidade eterna à bem-aventurança,
vai uma pouca distância!
Dura mais do devido
neste estado desmedido.

À toa, com um reboque à proa
sem reflexão nem tino!
Falta de firmeza ou de solidez?
Inconstância, incerteza, infixidez.

 

Paulo Brites

 

 

Pág. 2/2